Publicado em Categorias Resenhas, Teatro

Esquete teatral de Antônio Roberto Gerin, A Mulher do Marido foi escrito em meados do ano de 2016, e é o sétimo texto do dramaturgo neste formato,  que também pode ser chamado de cena curta. Os esquetes teatrais de Gerin tem como característica se constituírem de um recorte do cotidiano dos seus personagens, que rapidamente revelam ao público e aos leitores situações diversas, desde o riso absurdo à apreensão de um conflito dramático. Muita das vezes, os personagens apenas continuam suas vidas como se aquele trecho cênico não passasse de um mero fato cotidiano em suas rotinas. Assim também acontece com o casal de A Mulher do Marido, que vem trazer ao palco situações inusitadas que acabam por se tornarem pretexto para revelar quem são esses dois personagens, que se intercalam entre o amor e o ódio que sentem um pelo outro.

Após ter sido abandonada pelo noivo, Alberto, que se casa com sua melhor amiga, Cândida vê agora seu desejo de vingança realizado. A ex-amiga Verônica trai Alberto, que descobre a traição e, após muita pancadaria, pede a separação. Cândida, ao telefone, feliz, manda seu atual marido, Cornélio, por quem nutre profundo desprezo, comprar duas garrafas de vinho para comemorarem a notícia.

A partir disso começam a se revelar quem são os dois personagens. Uma Cândida que destila todo seu ódio por Verônica,  e que acaba descontando suas frustrações no marido, e um Cornélio completamente submisso aos desejos de sua mulher. Um casal que se complementa em suas fragilidades imersas em mágoas e mentiras. Um prato cheio para o conflito. O amor resistirá a tanta dor? Mas, afinal, é amor isso que une Cândida e Cornélio?

A Mulher do Marido vem trazer aos palcos, com humor ácido, o poder da mágoa, e como podem ser tóxicas algumas relações de casal e, mesmo, de amizade. Enquanto Cândida sonha com o namorado perdido, Cornélio parece assistir a tudo passivamente. Não teria ele nenhum segredo a esconder? É dessa forma que Antônio Roberto Gerin brinca com seus personagens, revelando suas dores e segredos, com a pitada do bom humor que é o tempero ideal para dar leveza ao esquete. Afinal, caro leitor, com nossos segredos revelados, o que nos resta além das lágrimas? Rir.

Alex Ribeiro

A Mulher do Marido faz parte do espetáculo ATÉ QUE O AMOR NOS SEPARE, que estreia dia 8 de fevereiro de 2019, no Teatro Goldoni. Não perca!

Publicado em Categorias Poesia

Sentou-se à mesa
Pra mais uma poesia
Escrever

Encheu seu copo
Pra sua mente
Transbordar

Achou que seria
Só mais uma vez
Como de costume

Mas não foi tão fácil
Dessa vez

O gole da bebida
Já não trazia
O mesmo prazer…
Já não trazia
Prazer nenhum

A angústia
Preenchia seu coração
Até que ele se lembrará
De que já não era mais escravo
Da bebida

Que sua inspiração
Se personificou
Num anjo
Que habita a terra

Na mulher
Que se tornou
Sua musa inspiradora.

Jackson Melo

Publicado em Categorias Poesia

É chegada a hora
Hora da partida

A vida
Já não tem sentido

Em meio a essa multidão
Nunca me senti
Tão só

As paixões
Maltrataram
Este coração
Até que não restassem
Mais amores

Me esgotei
De todo caminho
Percorrido

Aqui dessa sacada
Vejo o futuro
À minha espera

Vou de braços
Abertos
Para o último abraço

Não vou
Para os braços dos anjos
Apenas
Para a escuridão eterna
E o sossego de minha alma.

Jackson Melo