Publicado em Categorias Literatura, Poesia

Por Alex Ribeiro

De repente eu me atirei na vidraça
Os pedaços de vidro, e de mim, dilaceravam minha carne
E em meio a tanto sangue, tanta dor
Fui eu que fiquei catando os cacos
E sem nenhuma cerimônia
Como num ato justiceiro
Criou-se um veredito
E um réu.

Clique aqui para conhecer os textos teatrais de Antônio Roberto Gerin, dramaturgo da Cia de Teatro Assisto Porque Gosto.

Publicado em Categorias Resenhas, Teatro

Por Alex Ribeiro

Macbeth é uma peça de William Shakespeare, escrita por volta de 1606. É uma das mais conhecidas obras do dramaturgo inglês e, com certeza, uma de suas obras primas. Apesar de ser uma de suas tragédias mais curtas, Macbeth é uma das peças mais montadas de Shakespeare, além de ter recebido inúmeras adaptações para o cinema. Seus dois personagens principais, Macbeth e Lady Macbeth, estão entre os mais cobiçados papeis do teatro, e já foram interpretados pelos mais diversos e grandiosos atores e atrizes. Recentemente, a Cia Brasiliense de Teatro levou um belo Macbeth aos palcos de Brasília, com direção de James Fensterseifer, no elenco André Amaro e Fernanda Cabral, ainda Abaetê Queiroz e Marcos Davi. Portanto, trata-se de uma obra teatral que sobrevive aos séculos devido à sua beleza artística e profundidade humana. Macbeth traz à cena dois pontos de tensão que são capazes de desencadear todos os tipos de tragédias. De um lado, vemos a tensão política, forças opostas se digladiando pelo trono, um reino que anseia por voltar ao equilíbrio, com a necessidade de se preservar a figura do rei; e, do outro lado, temos as dimensões psicológicas de Macbeth que fazem com que ele, ainda duque, atue para que seu desejo pessoal, o de se tornar rei, seja satisfeito a qualquer custo. O conflito está desenhado. Macbeth terá de violar muitos pactos políticos, e até pessoais, para ver seu desejo de ser rei atendido.

Logo no início da peça, após ter vencido uma importante batalha, Macbeth fora avisado por feiticeiras de que se tornaria rei, no futuro. Ao regressar para casa, ele narra à sua esposa, Lady Macbeth, o que ouvira das feiticeiras, e os dois se embevecem na sede de poder que deles toma conta. A partir daquele momento, eles não iriam mais esperar que a sorte fizesse com que o reino chegasse até Macbeth. Os dois iriam, eles mesmos, chegar até o trono. Por ocasião de seus feitos na guerra, Macbeth já se tornara o homem mais importante e poderoso da Escócia, depois do Rei Duncan. Não faltam muitos degraus para se chegar à coroa. É preciso, portanto, derramar sangue, mas, desta vez, não em guerra, e sim através de um golpe. E o rei, agora, não está mais vivo. O golpe tem o caráter ilusório de que o jogo político segue incólume aos olhos de quem vê, mas, aos olhos de quem enxerga, as mãos do golpista se revela ensanguentada. A tragédia dá mais um passo.

Após tramar e executar o assassinato de Duncan, Macbeth é coroado o rei da Escócia. Porém, o seu reinado é perturbado por uma inquietação que passaria a comandar suas bárbaras ações. Esta inquietação tem origem, também, na profecia das feiticeiras. Após aquela mesma batalha, onde Macbeth recebera o vaticínio de sua chegada ao trono, o seu amigo Banquo, companheiro de batalha, recebera também uma profecia. Banquo seria o pai de uma linhagem de muitos reis, enquanto Macbeth seria um rei sem linhagem. De amigo, Banquo passa a ser um perigo para o novo rei, afinal, segundo as profecias, os seus descendentes ocupariam o trono de Macbeth. Mais mortes ensanguentariam as mãos de Macbeth.

Mergulhado em tirania e loucura, causadas pelos assassinatos que cometera, Macbeth cai em profundo sofrimento. Seu poder vai ruindo conforme seus aliados o abandonam, e quanto mais se vê nessa situação, mais sangue jorra da sua tirania. Até que tudo seja interrompido por uma nova guerra. Após ter perdido toda a família numa chacina ordenada pelo já ensandecido rei, Macduff, aquele que notara o golpe do impostor, é quem vai dar fim ao sofrimento e tirania de Macbeth,. A ambição e a arrogância são o caminho para que a espada da vingança lhe tire a vida. É o fim de Macbeth, sem herdeiros ao trono.

Os Macbeths existem ainda hoje. Alguns caminham sossegados pelas calçadas, outros tramam conspirações nos passeios palacianos, outros ainda estão sentados em confortáveis cadeiras de gabinetes, seja num alto cargo de uma boa empresa, seja numa praça de três poderes. Eles continuam lá, tramando, executando, tiranizando. E vale lembrar que eles são inimigos do teatro. O são, pois o teatro revela o sangue, a espada e o assassino. O teatro joga luz sobre os conflitos mais subterrâneos em que as artimanhas humanas nos colocam. E é por isso que é preciso persegui-lo, desmantelá-lo, ridicularizá-lo. Mas, assim como a coroa, o teatro não é uma pessoa. É maior. Persigam os seus artistas, sufoquem-nos. Ainda assim, o teatro continuará lá, como um trono, até que os próximos artistas venham ocupá-lo.

Clique aqui para conhecer os textos teatrais de Antônio Roberto Gerin, dramaturgo da Cia de Teatro Assisto Porque Gosto.

Publicado em Formato VídeoCategorias Cultura, Literatura, Poesia

Interpretado por Alex Ribeiro

Há um pássaro azul em meu peito que
quer sair
mas sou duro demais com ele,
eu digo, fique aí, não deixarei
que ninguém o veja.
há um pássaro azul em meu peito que
quer sair
mas eu despejo uísque sobre ele e inalo
fumaça de cigarro
e as putas e os atendentes dos bares
e das mercearias
nunca saberão que
ele está
lá dentro.
há um pássaro azul em meu peito que
quer sair
mas sou duro demais com ele,
eu digo,
fique aí, quer acabar
comigo?
quer foder com minha
escrita?
quer arruinar a venda dos meus livros na
Europa?
há um pássaro azul em meu peito que
quer sair
mas sou bastante esperto, deixo que ele saia
somente em algumas noites
quando todos estão dormindo.
eu digo, sei que você está aí,
então não fique
triste.
depois o coloco de volta em seu lugar,
mas ele ainda canta um pouquinho
lá dentro, não deixo que morra
completamente
e nós dormimos juntos
assim
com nosso pacto secreto
e isto é bom o suficiente para
fazer um homem
chorar, mas eu não
choro, e
você?

Clique aqui para conhecer os textos teatrais de Antônio Roberto Gerin, dramaturgo da Cia de Teatro Assisto Porque Gosto.